1. 1

Será que minha vida é minha mesma?
Publicado em 2015-08-27

Há um conceito muito generalizado de que somos donos da nossa própria vida. Num mundo materialista e humanista, este conceito é considerado certo. “A vida é minha, por isso posso fazer dela o que bem entender”; “O corpo é meu e posso usá-lo como bem quiser e ninguém tem nada com isto”. Será que isto é verdadeiro?

Quando abrimos o Manual da Vida — a Bíblia —, cujo verdadeiro autor é Deus, descobrimos a falsidade destes conceitos. Ao responder uma das indagações que perturbam a mente dos incrédulos, o Manual mostra de onde viemos e como viemos: de Deus. Ele criou tudo do nada. Ele é o único ser eterno e soberano. Ele fez o corpo do homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego da vida (Gênesis 2: 7). Criou o homem à sua imagem e semelhança (Gênesis 1: 27). Após criar o homem, Deus entregou a administração da terra em suas mãos (Gênesis 1: 28). O Manual revela-nos depois como o homem rebelou-se contra Deus (Gênesis 3). No entanto, Deus não abandonou o homem, mesmo após desobedece-Lo; ao contrário, prometeu um Redentor e, no tempo certo, O enviou: Jesus Cristo.

Por esta razão, todos os homens pertencem a Deus: foram criados por Ele e subsistem por meio dEle. Por esta dupla razão, nenhum homem pode julgar-se dono de sua vida. Ele é o administrador a quem um dia o homem terá que prestar contas de todos os seus atos, bons e maus feitos através do seu corpo (II Coríntios 5: 10).

Como Deus não abandonou o homem após o pecado, enviando Jesus Cristo para resgatar a si todos os perdidos, aqueles que são salvos têm mais um motivo de reconhecerem que pertencem a Deus: o direito de redenção. Como Paulo afirma em I Coríntios 6: 19 e 20 e Pedro em sua 1ª Carta 1: 18, os salvos foram comprados pelo precioso sangue de Cristo. Assim, a nossa vida, como crentes em Cristo Jesus, pertence a Deus por direito de criação, de preservação da vida e de redenção de nossa alma.

Se a minha vida, meu corpo, meus talentos, meu tempo, meus bens, enfim, tudo que sou e tenho, na realidade, pertence a Deus, um dia terei que prestar contas de tudo a Ele; um dia terei que prestar contas de tudo (II Coríntios. 5: 10). Por isso, devo encarar todos os aspectos da minha vida com seriedade. Na verdade, nós somos administradores da nossa vida no decorrer de toda a nossa jornada terrena. Nós fomos criados por Deus para o Seu louvor e glória durante toda a nossa vida! Durante toda a nossa vida! Portanto, irmãos, vivamos de acordo com a vontade de Deus sempre. Que o mundo possa ver em tudo em nossa vida refletida a imagem de Cristo em nós.

Pr. Miguel Horvath




Voltar