1. 1

(EBD) Descanso ou serviço – Êxodo 20. 8 – 11
Publicado em 2017-06-22

A mordomia do tempo inclui o dia do descanso cristão ordenado pelo Senhor. Seis dias são para os trabalhos e preocupações com a vida material, e um deve ser dedicado ao Senhor. No Velho Testamento, o dia do descanso era o sétimo da semana; para nós, cristãos, é o primeiro dia.

Muitos têm dúvidas sobre o dia do descanso cristão porque, na Bíblia, os judeus guardavam o sétimo dia. Para entender, precisamos primeiro saber que o significado da palavra sábado é descanso. A palavra sábado não foi traduzida para o português, e sim transliterada. Se tivesse sido traduzida, leríamos: “pelo que o Senhor teu Deus te ordenou que guardasses o dia de descanso” (Deuteronômio 5. 15f). 

Em segundo lugar, nós temos as mesmas razões para observar o 1º dia da semana que os judeus tinham para fazê-lo com o sétimo dia ao reconhecê-lo como o dia de descanso. Em Êxodo, afirma-se que eles deveriam guardar o 7º dia por ter sido quando Deus terminou a obra da criação (20. 11); guardamos o 1º dia porque foi quando Deus terminou a obra da nova criação com a ressurreição de Cristo. Em Deuteronômio 5. 15, os judeus deveriam observar o 7º dia como o de descanso porque deveriam lembrar que foram libertos do cativeiro de Egito; nós, cristãos, fazemos isso com o 1º dia porque, com a ressurreição de Cristo, fomos libertos do cativeiro do pecado. Independente destas e outras considerações, observamos como dia de descanso cristão o 1º dia da semana porque Cristo ressuscitou neste dia, apareceu aos discípulos sempre no 1º dia e as reuniões dos cristãos para os seus cultos eram sempre neste dia (Lucas 24. 1 - 6; João 20. 1 - 9, 19, 26; Atos 20. 7; I Coríntios 16. 20; Apocalipse 1. 10).

Como salvos por Jesus Cristo, devemos ter sempre em mente que o domingo (primeiro dia da semana) é o dia do Senhor (Ap. 1. 10). Ele não é meu para fazer o que quiser. É para adoração ao Senhor, cultivo espiritual e serviço cristão, como visitar enfermos e irmãos que precisam de ajuda (espiritual ou material), visitar amigos para evangelização, viúvas, idosos solitários, encarcerados, etc.

Infelizmente, até muitos salvos por Cristo têm desprezado o dia do Senhor, considerando este dia como seu e fazendo o que bem entendem. O Dr. Hale escreveu para o seu neto: “Durante quase 50 anos, ocupei-me em questões de grande vulto e tirei as seguintes conclusões: 1. Quanto mais escrupulosamente eu observava a santificação do domingo, tanto mais sucesso alcançava em meu trabalho durante a semana; e 2. Apesar de me encontrar sempre sobrecarregado de serviços, nunca me faltou tempo para cumprir todas as minhas obrigações, embora nunca, jamais, tivesse tirado um minuto sequer do domingo para os meus trabalhos materiais”.

Irmãos, sejamos fiéis a Deus na santificação do dia do Senhor para Sua honra e glória.


Pr. Miguel Horvath




Voltar