1. 1

(EBD) Batalhando na Fé – Judas 3
Publicado em 2017-06-01

A palavra chave do estudo de hoje é “batalhando na fé”. A carta é dirigida aos “chamados”, aos “amados em Deus Pai” e aos “guardados em Cristo Jesus”, portanto aos salvos por Jesus desde os dias de Judas até a Sua volta. Logo, o apelo é também para cada um de nós, salvos dos dias atuais. O perigo que Judas via é o mesmo que vemos hoje no seio do cristianismo.

Conhecendo como são as igrejas de agora, chamadas de cristãs, sentimos a urgência de ouvir a exortação de Judas. Precisamos batalhar na fé para permanecermos firmes e combatermos toda a sorte de heresias. Para isto, precisamos “vigiar e orar”, estar dia a dia firmados na Bíblia, buscar a orientação e o poder do Espírito Santo. Sejamos como os bereanos, que “examinavam diariamente as Escrituras para conferir se o que ouviam era verdade” (Atos 17. 11), e não como os atenienses, que não se ocupavam de outra coisa senão de “ouvir a última novidade” (Atos 17. 21f).

Depois destas ligeiras considerações de como agir diante de um mundo em que impera tanta confusão religiosa, a pergunta que podemos fazer é: Qual a estratégia para permanecermos fiéis ao ensino bíblico?

Primeiro, precisamos ter em mente quatro fatos: 1º. Jesus alertou pessoalmente e pelos seus apóstolos que haveria falsos mestre, falsos profetas (Mateus 7. 15; 24. 11; II Pedro 2; Judas). 2º. Que eles seriam escarnecedores, andando segundo suas ímpias paixões. 3º. Que eles tinham propósitos de promover dissensões. 4º.  Que eles não são verdadeiramente convertidos, pois não têm o Espírito (João 3. 5; Romamos 8. 9).

Segundo, precisamos permanecer firmes na fé em Cristo. Para isto, é necessário: edificar-se na fé; orar no Espírito; guardar-se no amor de Deus e esperar a misericórdia de Cristo.

Terceiro, precisamos ser compassivos com os que estão confusos pela ação dos falsos mestres, mostrando-lhes bondade e simpatia no sentido de tentar abrir-lhes os olhos espirituais. Também tendo cuidado ao nos colocarmos ao lado de um herege para não sermos contaminado pelas suas doutrinas e imoralidades.


Pr. Miguel Horvath




Voltar